Receba as newsletters da ABEN:
Imagem loading
English

Pesquise uma Notícia

Por Data:

Ver Mais: 1 : 2 : 3 : 4 : 5 : 6 : 7 : 8 : 9 : 10

Rezar para chover não é admissível no Brasil, diz representante do setor de energia nuclear

(20/07/21) Para Carlos Mariz, da Aben, país é imediatista e não pensa no longo prazo

São Paulo - O presidente da Aben (Associação Brasileira de Energia Nuclear), Carlos Mariz, que representa o setor, diz que o Brasil poderia contar com energia nuclear para atravessar a crise hídrica, mas é imediatista e não pensa no longo prazo.

"Vamos ter que rezar para que chova. E isso não é admissível em um país do tamanho do Brasil", diz.

Em defesa da energia nuclear, Mariz diz que, apesar do alto custo para a construção de uma usina, que leva cerca de dez anos para ficar pronta, a energia é mais barata, porque o urânio tem preço estável e reservas no país, o que baixaria a tarifa paga pelo consumidor.

O plano nuclear brasileiro prevê a construção de oito a dez usinas até 2050, com envolvimento da iniciativa privada. Segundo Mariz, cerca de 40 locais foram considerados viáveis, mas seis foram priorizados e estão em fase de identificação e estudos.

Jornalista, Joana Cunha é formada em administração de empresas pela FGV. Foi correspondente da Folha em Nova York e repórter de Mercado

com Mariana Grazini e Andressa Motter

Fonte: Coluna Painel S.A. - Folha de S.Paulo (confira aqui)

Associação Brasileira de Energia Nuclear

Rua Candelária, nº 65, 14º andar - Centro, Rio de Janeiro (RJ) - CEP 20.091-906 / Tel: (21) 2266-0480 / (21) 2588-7000 - ramal 4721