Receba as newsletters da ABEN:
Imagem loading
English

Pesquise uma Notícia

Por Data:

Ver Mais: 1 : 2 : 3 : 4 : 5 : 6 : 7 : 8 : 9 : 10

Precisamos falar sobre energia nuclear, escreve Julia Fonteles

Efeitos dos GEE: irreversíveis em 20 anos
Capacidade nuclear média: 92,6% em 2018

JULIA FONTELES

(28/03/19) Na pauta de debates do congresso americano, o pacote de leis Green New Deal propõe a reestrutura da economia americana, com a extinção das emissões de gás carbono, a criação de empregos e a redução da desigualdade econômica. Por motivos diferentes, o pacote elaborado pelos democratas é duramente criticado pelos republicanos e por cientistas especializados em estudos climáticos.

Enquanto os republicanos consideram a proposta socialista, os cientistas criticam a iniciativa por não incluir todas as opções de produção de energia limpa. De acordo com o cientista ambiental James Conca, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, a viabilidade do Green New Deal requer a inclusão de energia nuclear.

O Green New Deal propõe que a economia americana opere livre da emissão de GEE (gases de efeito estufa) no prazo de 10 anos. Embora essa meta seja considerada inviável, existe na comunidade científica americana a percepção de que metas ousadas como essa vão ajudar na aceleração para a transformação da matriz energética mundial.

Nos Estados Unidos, 64% das fontes de energia produzida vêm de combustíveis fósseis e, quando se considera o setor automobilístico, 87% da energia consumida pelos americanos emitem GEE.

De acordo com o relatório "Global Energy Transformation", da Irena (Agência Internacional de Energia Renovável), o mundo tem aproximadamente 20 anos para adaptar suas fontes de energia antes que os efeitos da mudança climática se tornem irreversíveis. Em razão desse prazo tão curto, os cientistas consideram indispensável a implementação da energia nuclear para se obter resultados eficazes e rápidos.

Além de não emitir GEE, a principal vantagem do processo nuclear é a sua eficiência. A fissão nuclear gera melhores resultados com menos esforço, quando comparada às fontes renováveis. Outro benefício é sua autonomia. Quando se mede proporções e eficiência, as usinas nucleares operam em uma capacidade extremamente elevada, pois não dependem das condições climáticas favoráveis.

Em 2018, nos Estados Unidos, a capacidade média da operação nuclear foi de 92,6%. Isso quer dizer que dos 365 dias do ano, em 336 dias as usinas nucleares operaram em capacidade máxima. Em comparação, a energia oriunda de hidrelétricas opera em capacidade máxima apenas 42,8% das vezes, energia eólica em 37,4% e a energia solar, em 26,1%.

Vale ressaltar que essa porcentagem representa a eficiência média da geração de energia, o que não quer dizer que as fontes não sejam complementares e que a capacidade das demais alternativas não irá aumentar. No Brasil, por exemplo, quando a produção das maiores hidrelétricas não cumpre com a demanda, a distribuição de energia conta com fontes solares, eólicas e, infelizmente, usinas termelétricas.

De acordo com a percepção pública, existem dois grandes problemas associados à expansão ou até mesmo à utilização de usinas nucleares. O primeiro problema é o risco de acidentes. Os casos das usinas de Three-Mile Island, na Pensilvânia, Chernobyl, na Ucrânia, e Fukushima, no Japão, ficaram marcados pelas consequências dos acidentes nucleares. Para evitá-los, a regulamentação de usinas nucleares deve ser rígida e atualizada.

Construir usinas em áreas de isolamento, áreas sem riscos de enchentes e outros desastres naturais e o monitoramento constante das atividades por agências reguladoras são medidas indispensáveis para a expansão de energia nuclear.

O 2º é a produção e o armazenamento de lixo nuclear radioativo. De acordo com Richard Rhodes, autor do livro "Energy: A Human History" e ganhador do prêmio Pulitzer, o lixo nuclear não é mais um problema tecnológico nos EUA. Ele pode ser armazenado em caixas de concreto e ferro que são impermeáveis. A US Waste Isolation Pilot Plant, no Novo México, tem capacidade de armazenar lixo nuclear para os próximos 1.000 anos.

Com o aumento na demanda de energia e a necessidade de buscar novas alternativas para produção de energia limpa, todas as opções precisam ser consideradas na transformação da matriz energética. Embora todas tenham suas vantagens e desvantagens, é o conjunto dessas fontes que irá diminuir os efeitos dos danos causados pela mudança climática em menor tempo.

Fonte: Poder360 (o artigo original, com imagens e links, está disponível aqui)

Associação Brasileira de Energia Nuclear

Rua Candelária, nº 65, 14º andar - Centro, Rio de Janeiro (RJ) - CEP 20.091-906 / Tel: (21) 2266-0480 / (21) 2588-7000 - ramal 4721