Receba as newsletters da ABEN:
Imagem loading
English

Pesquise uma Notícia

Por Data:

Ver Mais: 1 : 2 : 3 : 4 : 5 : 6 : 7 : 8 : 9 : 10

A Atech, a mais nova associada da Aben, conversou sobre sua atuação, entre outros, no mercado nuclear brasileiro

Selecionada para desenvolver todo o sistema de proteção e controle no Labgene, Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica, parte do Programa Nuclear da Marinha, a Atech atua no mercado brasileiro desde 2009, com perspectivas de expansão para outros mercados. A mais nova associada da Aben é uma empresa do grupo Embraer.

O diretor de Negócios da Atech, Giácomo Feres Staniscia, conversou conosco sobre a empresa.

 

Gostaríamos que falassem sobre a Atech, empresa do Grupo Embraer. Qual sua principal linha de atuação da empresa?

Reconhecida como uma system house brasileira, especializada em engenharia de sistemas e tecnologias de consciência situacional e apoio à tomada de decisão, a Atech trabalha no desenvolvimento de soluções inovadoras com aplicações nas áreas de tráfego aéreo, sistemas de comando e controle, segurança cibernética, sistemas de instrumentação e controle, sistemas embarcados, simuladores e logística. A empresa é responsável pelo desenvolvimento e modernização de todo o sistema de gerenciamento e defesa do espaço aéreo brasileiro e implantou, no Brasil e no exterior, diversos projetos de vigilância, tráfego aéreo, defesa, sendo reconhecida, pela sua atuação, como empresa estratégica de defesa junto ao Ministério da Defesa do Brasil. 

 

Quando a Atech foi criada?

A Atech SA atua no mercado desde 2009, tendo sua origem alicerçada no desenvolvimento e implantações de sistemas críticos desde a década de 1980, quando da implementação de soluções tecnológicas e integrações de sistemas complexos nos mercados de Defesa e tráfego aéreo. Hoje, traz como legados projetos de desenvolvimento e integração de sistemas, simuladores, sistemas de tomada de decisão, sistemas de missão embarcados e de instrumentação e controle na área nuclear, entre outros, que permeiam todo o ciclo de conhecimento das engenharias.

A empresa tem escritórios em São Paulo, São José dos Campos e Rio de Janeiro. Quantos funcionários a empresa possui em cada local?

A maior parte do efetivo concentra-se entre São Paulo e São José dos Campos. Nas duas, trabalham 440 funcionários. A empresa possui, ainda, escritórios no Rio de Janeiro e em Brasília.

Há planos de expansão? Em caso afirmativo, para quais cidades?

A Atech é uma empresa bastante dinâmica, adaptando-se às necessidades do mercado e garantindo estrategicamente a preservação do conhecimento adquirido. De acordo com as entregas e demandas específicas dos projetos, mantemos equipes em outras localidades. Atualmente a empresa trabalha num forte programa de crescimento na área internacional.

Quais os principais projetos em andamento e quais são os planos para o futuro? Qual a perspectivas de negócios?

A Atech possui atuação em três mercados principais – Defesa e segurança pública, ATM (gerenciamento de tráfego aéreo) e B2B. Cada unidade de negócio tem focos específicos e projetos em andamento. No tráfego aéreo, por exemplo, é responsável pelo desenvolvimento a atualização de todo o sistema brasileiro, em parceria com a Força Aérea Brasileira. Na área de Defesa, está presente nos principais projetos estratégicos das Forças Armadas, tais como o sistema de defesa aérea, sistemas embarcados e de apoio em solo para os caças Gripen, Helicóptero EC225M e aeronave P3AM, além da importante presença no Labgene (Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica), parte do Programa Nuclear da Marinha. Esses projetos e os demais em que a Atech atua possuem perspectivas de expansão, já que a organização tem trabalhado em parceria com empresas internacionais, absorvendo tecnologia para o país e exportando know how e tecnologias de ponta para outros países.

Quais os principais desafios pela frente, tendo em vista que ainda estamos em um período de recuperação financeira e retomada de crescimento no Brasil?

Com o contingenciamento dos projetos estratégicos e mudança dos cronogramas, o maior desafio é manter a equipe focada e preservar o conhecimento adquirido, para que possamos produzir de acordo com as novas datas e diretrizes apresentadas pelos nossos clientes das Forças Armadas. Apesar deste cenário de restrição orçamentária, vivenciado nos anos anteriores, a Atech vem mantendo um consistente histórico de crescimento em sua receita. Estar em total sintonia e desenvolver uma relação de parceria é, hoje, nossa principal meta junto aos clientes nacionais e, frente ao período de recuperação financeira do país, ampliar as oportunidades internacionais.

Em relação à área nuclear, a Atech atua nas áreas de instrumentação e controle? Atua, também, em outras áreas?

A Atech foi selecionada para desenvolver todo o sistema de proteção e controle do Labgene. A empresa também é responsável por integrar os demais sistemas auxiliares que vão operar dentro do Labgene, bem como pelo desenvolvimento dos softwares de controle da planta. O escopo de atuação engloba ainda a integração das salas de controle, atividades de treinamento e operação assistida, além de suporte ao comissionamento da planta como um todo.

Qual a expertise de seu corpo funcional no setor nuclear?

O Labgene, além de ser extremamente complexo e singular, algo novo para o Brasil, trouxe muito do conhecimento de uma nova área para a Atech, a nuclear. A empresa conta, atualmente, com mais de 40 profissionais trabalhando diretamente no projeto do Labgene. Na área nuclear, além de necessitar de uma equipe altamente qualificada e especializada, os processos exigem certificações específicas, emitidas por órgãos independentes e que atendem a requisitos internacionais. Isso resultou na definição de processos internos e específicos para o projeto. Os sistemas e softwares desenvolvidos precisam ser certificados na área nuclear, obedecendo a normas bastante rigorosas, e demandando um alto nível técnico requerido dos profissionais envolvidos. Dentre as expertises específicas, podemos citar: neutrônica, sistema de segurança, sistemas de controle e automação, monitoramento de radiação, monitoração sísmica, monitoração preditiva, instrumentação nuclear, engenharia de sistemas, gestão da cadeia de suprimentos,  gerenciamento e engenharia, gestão da configuração, engenharia de fatores humanos, qualidade de produto, comissionamento, apoio ao licenciamento, instalação e montagem de sistemas e salas de controle.

Quais são os principais parceiros e clientes no setor nuclear?

Além de adquirir conhecimentos únicos na área nuclear, a Atech vem atuando com parceiros em todo o mundo para o fornecimento de itens, em função da própria necessidade do Programa. Sempre que possível, são identificados parceiros nacionais. Configuram-se como principais parceiros empresas de nível mundial e com experiência consolidada no setor nuclear.

Poderiam nos falar as perspectivas de novos negócios no setor nuclear?

Há cinco anos, entrar na área nuclear foi algo novo para a Atech e esse projeto capacitou a empresa a atuar no setor, principalmente nas áreas de instrumentação e controle nuclear. Com a conclusão do projeto de implantação do Labgene, a Atech poderá dar todo suporte à Marinha do Brasil em futuras fases do Programa Nuclear, já que a empresa passou a deter uma tecnologia exclusiva e presente em poucos países.  A empresa também adquiriu know how para contribuir em projetos futuros, como plantas de energia nuclear, desenvolvimento de simuladores nas áreas de controle e até mesmo integrar legados existentes em projetos futuros do Governo e das Forças Armadas.

Por que a Atech se filiou à ABEN?

A Associação Brasileira de Energia Nuclear é uma das entidades mais representativas do setor de energia nuclear, congregando empresas, pesquisadores e profissionais que atuam na difusão e disseminação de informações e novidades nessa área. Ao atuar no Programa Nuclear da Marinha, a Atech sentiu a necessidade de partilhar com a sociedade tais conhecimentos e buscou na ABEN essa parceria estratégica.  A Atech foi escolhida  pela Marinha Brasileira para ser responsável pela Instrumentação e os sistemas que implementam o controle e proteção do LABGENE (Laboratório de Geração de Energia Núcleo Elétrica).  Nossa filiação visa dar mais representatividade às empresas brasileiras que atuam no setor de energia nuclear e garantir que tenhamos condições de atender as demandas nacionais, além de contribuir com o crescimento do setor nuclear no Brasil, atuando em cooperação com as demais associadas.

Gostaria de dar uma palavra final?

Nessas décadas de história, a Atech consolidou-se como empresa parceira do Governo e das Forças Armadas, ao deter o conhecimento sobre tecnologias críticas. Com esse projeto, o conhecimento derivado da participação no Labgene tem sido muito rico e, certamente, eleva a Atech a um novo patamar, consolidando sua posição de parceira estratégica também na área nuclear. Sentimo-nos honrados em fazer parte da ABEN e temos a certeza de que a Atech encontra-se pronta e capacitada para trabalhar em parceria com outras empresas do setor.

Associação Brasileira de Energia Nuclear

Av. Rio Branco, 53, 17º andar, sala 1.702 - Centro Rio de Janeiro (RJ) - CEP 20.090-004 Tel/Fax: (21) 2203-0577 / 2266-0480