Receba as newsletters da ABEN:
Imagem loading
English

Pesquise uma Notícia

Por Data:

Ver Mais: 1 : 2 : 3 : 4 : 5 : 6 : 7 : 8 : 9 : 10

Modelo de leilão para escolher parceiro de Angra 3 trará descontos na conta de luz

Por Davi de Souza (davi@petronoticias.com.br)

(09/05/18) A quarta-feira (9) deve ser decisiva para o setor nuclear brasileiro. Os olhos de membros do setor estão voltados para Brasília, onde uma comissão mista deve analisar e votar o relatório do deputado Júlio Lopes sobre a privatização da Eletrobras e suas distribuidoras. O texto, como se sabe, também inclui pontos fundamentais para a retomada de Angra 3. Ontem, o deputado complementou seu relatório com a proposta de realização de um leilão para a escolha de um parceiro estrangeiro que ajudará a completar a obra. A ideia do parlamentar é que o governo crie uma tarifa teto para a comercialização da energia da usina. O investidor que ofertar o valor com maior desconto em relação à que foi estipulada pelo governo seria o vencedor da licitação.

Na opinião do presidente Associação Brasileira para Desenvolvimento de Atividades Nucleares (Abdan), Celso Cunha (foto), este modelo será benéfico para o bolso do consumidor brasileiro. "Se tivermos um teto para a tarifa de Angra 3 da ordem de R$ 400 por MW/h, este valor será reduzido nos lances feitos no futuro leilão, assim a economia será muito grande", afirmou. O executivo ainda lembra que com a entrada de Angra 3, o país deixará de contratar as usinas emergenciais movidas a gás, que são muito mais caras que a fonte nuclear. "Eu acho que se resolvido este imbróglio ainda este ano, podemos em 2019 colocar no mercado este leilão e cumprir o cronograma até 2026", concluiu.

Como o senhor enxergou a proposta de realização para escolha do parceiro de Angra 3?

Eu avalio que a questão do leilão já estava encaminhada. Ou seja, ganha quem oferecer a menor tarifa de energia elétrica. Então, ao invés de ser usado o critério de menor participação acionária [na usina], e sim o critério de menor valor de tarifa, isso será benéfico para o consumidor. Isto porque quando esta energia for vendida no mercado, o impacto dela será minimizado no global de todo o conjunto de geração. Desta forma, se conseguirmos uma tarifa um pouco menor, será melhor ainda.

Para o mercado, este modelo de disputa é atrativo?

Em relação ao leilão, acho que é muito razoável este tipo de modelo. No passado, já foi praticado em outros empreendimentos no país.

E para o consumidor? Gostaria que o senhor detalhasse um pouco mais os benefícios deste modelo de leilão.

Sobre a tarifa, precisamos lembrar que hoje gastamos um volume de recursos muito alto (chegando a R$ 900 MW/h) para despachar as usinas emergenciais. Então, se tivermos um teto para a tarifa de Angra 3 da ordem de R$ 400 por MW/h, este valor será reduzido nos lances feitos no futuro leilão, assim a economia será muito grande. Vamos retirar uma energia cara das emergenciais e colocaremos na rede uma mais barata. Só temos a ganhar.

Assim sendo, o aumento na conta de luz não será muito elevado?

Se tivermos um aumento, ele será muito pequeno e diluído dentro da matriz como um todo. E, repito, se comparamos este reajuste na tarifa de Angra 3 com o custo das emergenciais, veremos que o Brasil ganhará muito com isso.

Recentemente, a Abdan se reuniu com o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco. O que foi discutido no encontro?

O ministro falou do seu comprometimento para resolver a questão de Angra 3. Ele comentou também rapidamente sobre o futuro do uso da energia nuclear na matriz brasileira. Pedimos a ele dedicação para que, tão logo a votação da MP da privatização da Eletrobras termine, as negociações com BNDES e Caixa ganhem rapidez. O ministro se comprometeu a acelerar esta discussão.

A MP é questão prioritária, porque com a nova tarifa definida, podemos ter viabilidade econômica. O reajuste na tarifa permite a renegociação de dívidas, que serão pagas após o início da geração de energia na usina.

Resolvida a questão da MP, é possível cumprir o cronograma para início da operação da usina?

Acredito que sim, com certeza. Eu acho que se resolvido este imbróglio ainda este ano, podemos em 2019 colocar no mercado este leilão e cumprir o cronograma até 2026.

Foto: Divulgação Petronotícias

Fonte: Petronotícias - RJ (a matéria original está disponível aqui)

Associação Brasileira de Energia Nuclear

Av. Rio Branco, 53, 17º andar, sala 1.702 - Centro Rio de Janeiro (RJ) - CEP 20.090-004 Tel/Fax: (21) 2203-0577 / 2266-0480